4 de maio de 2006

Depoimento da Karen

Olá Sandra, tudo bem?

Olha.. estive pensando muito sobre o que escrever e como escrever pois como você deve saber a minha passagem pela Índia não foi nada fácil .. uma relação de amor e ódio que nem eu sei descrever.. a Índia me ensinou algo e ao mesmo tempo me roubou algo que até hoje eu não consigo explicar.

Tudo começou com uma proposta da empresa na qual eu estava trabalhando, eles estavam com problemas com a filial da Índia e resolveram enviar uma "paulistana" para trabalhar no escritório. Antes de mim houve uma outra brasileira que ficou por 3 meses e voltou mas a forma o qual ela me passava as coisas não dava para ter uma real noção de como era esse país.

Antes de viajar tentei pesquisar tudo sobre a cidade de Nova Déli mas não pude ler muita coisa sobre a cidade e as pessoas na Internet, principalmente sobre o comportamento das pessoas (infelizmente eu não conhecia o Indiagestão na época). Viajei na maior ansiedade, achando que estava indo para um país totalmente zen!

Cheguei em Mumbai no dia 02 de fevereiro e meu primeiro dia foi um fiasco, escrevi até um e-mail muito engraçado para o pessoal da empresa falando sobre as três coisas mais idiotas que eu havia feito no meu primeiro dia que se eu parar para pensar, foram idiotas mesmo pq eu poderia ter sido estuprada logo no primeiro dia! Cheguei no hotel de madrugada e morrendo de medo pq logo na saída do aeroporto é um aglomerado de gente que assusta qquer visitante! No hotel fui acordada por alguém batendo na minha porta e como de costume abri e dei de cara com três indianos que não falavam absolutamente nada, só ficaram olhando para a minha cara.. fiquei brava e fechei a porta. Santa ignorância a minha não?

Fiquei uma semana em Mumbai, tive problemas com a comida e quase peguei uma infecção estomacal ... nunca senti uma dor tão forte na minha vida!!! A presidente (brasileira) da empresa chegou dias depois e ficamos juntas.. como ela já conhecia bem a Índia me deu algumas orientações e eu segui mais confiante, cautelosa em relação à alimentação e ansiosa para New Delhi onde eu ficaria até dezembro deste ano.

Estranhei muito os costumes do povo da Índia principalmente o jeito de olhar dos homens indianos. O escritório tbém era bem ruim e faltava energia todos os dias! Não tinha banheiro interno só externo e era uma sujeira! O indiano que trabalha como manager não fazia nada e chegava após às 12pm todos os dias e tudo era muito difícil de se conseguir. A impressão que eu tive é que indianos não gostam de trabalhar e que todos gostam mesmo é de ser chefinhos. Tive muitos problemas com o escritório da Índia, pela falta de procedimentos e pela falta de boa vontade do indiano lá principalmente após a volta da minha presidente ao Brasil.

Isso foi só o começo de muitos problemas que estavam por vir, acho que o que eu vou escrever aqui talvez sirva de exemplo para muitas pessoas que vão para a Índia à trabalho, principalmente se a empresa não tem uma boa estrutura para te dar suporte.
Eu tive "n" problemas de adaptação e um deles foi a minha liberdade. Eu não podia ir nem na esquina comprar comida, não pela falta de segurança pois o lugar onde eu estava morando não era tão ruim assim mas sim pq. qquer coisa que eu comprasse sairia bem mais caro, então eu enviava a minha maid para fazer isso. Para o escritório eu só podia ir de carro e os motoristas sempre chegavam atrasados e aos domingos desligavam o celular para que eu não pudesse chamá-los.. sendo assim, eu ficava em casa sem ter o que fazer e a minha única janela para o mundo era a Internet.

Outro problema era a alimentação, não sou muito ligada em comer carne todos os dias mas comecei a sentir falta e quando fui comprar achei um absurdo (isso pq. só comprei lingüiça e mortadela!). O meu budget para alimentação era de 3.000 rupees para todas as despesas da casa inclusive alimentação e eu tinha 3.000 rupees para o almoço (que normalmente eu comia fora). Se eu comprasse carne tinha que economizar para as outras despesas.. e como eu sentia falta de uma boa alimentação acabava almoçando em lugares caros mas que serviam pratos variados matando um dia de almoço para comer bem no outro.

Pra piorar um pouco mais a minha estada a empresa o qual eu trabalhava não enviou dinheiro para pagar os empregados, prestadores de serviços e minhas despesas! O cartão de crédito empresarial estava sem limite e eu sem dinheiro. Comecei a ficar desesperada pois sem dinheiro não poderia sair de casa para o escritório, fazer as ações de marketing e comprar alimentos. As cobranças da empresa no Brasil não paravam e eu após minha jornada de trabalho na Índia ficava on-line para fazer transferências de arquivos da empresa no Brasil e criar ações para as lojas, enviar relatórios, etc, já que eu ficava visitando lojas durante o dia. Quando me vi estava trabalhando duas jornadas e fiquei psicologicamente acabada até o dia que fui parar no hospital. Entrei em depressão, chorava por qquer coisa.. ficava com febre por nada...e por não poder fazer nada.

Tudo isso só me fez pensar nos verdadeiros valores da vida e até onde vale a pena você vestir a camisa da empresa, ainda mais quando a empresa te deixa sem dinheiro e pior, na Índia! Voltei para o Brasil fazem umas duas semanas e pensando com muita calma acho que o pior de tudo não foi a Índia em si mas toda a situação em que eu estive. A Índia significa intensidade! É desespero do começo ao fim pois no último dia quase sumiram com meu passaporte!!
Conheci bons indianos que sempre estiveram ao meu lado nos momentos difíceis e conheci também brasileiros que mesmo pelo pouco tempo ficarão eternamente em minhas lembranças e isso foi a única coisa boa da Índia pq. o resto eu estou tentando esquecer.

Foram três meses de ansiedade, desespero, trabalho e lágrimas nessa Incredible Índia!
Sandra, eu não quis citar o nome da empresa mesmo que eu não trabalho mais lá. Fui escrevendo tudo o que me veio na cabeça.. se vc achar que está extense pode cortar tá bom?

Espero que esteja bem.. de verdade. Beijos! Beijos! karen