12 de outubro de 2006

Aventuras na História



Namastê

Na revista Aventuras na História da Editora Abril deste mês (Outubro), há um pequenino relato do meu esposo sobre a morte da ex-Primeira Ministra indiana Indira Gandhi.
Tem até uma pequenina foto dele na revista. Veja na foto acima.

Segue abaixo a entrevista completa dada a jornalista Maria Carolina:

- Onde o senhor estava e o que fazia no dia do assassinato (31 de outubro de 1984) de Indira Gandhi?

Estava no escritório trabalhando. Ela foi assassinada aproximadamente as 9h20 da manhã mas oficialmente foi declarado quase as 15h30 da tarde.

- O senhor morava em Nova Delhi?

Não. Estava morando na cidade da Calcutá (agora Kolkata).

- Como recebeu a notícia do que havia acontecido (viu na televisão, ouviu no rádio, alguém lhe contou)?

Eu estava no escritório e alguém saiu para comprar alguma coisa. Quando ele voltou, ele contou sobre a morte de Indira. O governo inicialmente não revelou sobre o assassinato. Não tinha rádio comigo e eu lembro que fui para o escritório do PTI (Press Trust of India) em Calcutá e li as notícias sobre a condição dela. Quando nós ficamos sabendo que ela finalmente foi declarada morta, era quase 15h30 da tarde. Depois, meu chefe ligou seu rádio e ouvimos os detalhe sobre a morte. Mais tarde, quando fui para casa eu assisti noticiário na TV a noite. A TV estava dando cobertura continuamente.

- O que sentiu ao saber da morte da primeira-ministra?

Quando ela morreu, eu tinha 27 anos. Desde meus dias de colegial e faculdade eu nunca gostei muito de Indira Gandhi mas você sabe que este tipo de morte nunca é desejável. Ela era totalmente uma autocrata e junto com seu filho mais novo Sanjay Gandhi e uma panelinha de pessoas próximos dela quase tornou uma ditadura na época de 1975-1977 quando ela declarou “Emergência” na India. Depois que perdeu a eleição em 1977, foi reeleita em 1980.

Ela tornou-se inimiga para uma grande maioria dos Sikhs por causa das ações militares contra eles. Eles planejaram uma revolta separatista e Indira mandou reprimir a revolta (eles queriam formar um país independente para eles) e desde então eles ficaram frustrados e queriam matar ela.

No 31 de Outubro, 1984, dois sikhs, seguranças pessoais da Indira Gandhi, Satwant Singh e Beant Singh mataram ela no jardim da casa oficial da Primeira Ministra no No. 1, Safdarjung Road em Nova Delhi. Ela estava caminhando de sua casa para o escritório (no mesmo terreno) para ser entrevistada pelo ator britânico Peter Ustinov. Ela passou pelo portão, guardado por Satwant e Beant; quando ela se curvou para cumprimenta-los no estilo indiano tradicional, eles abriram fogo com suas pistolas semi-automáticas dando-lhe 16 tiros. Ela morreu a caminho do hospital, em seu carro oficial, mas só foi declarada morta muitas horas depois.

- Há alguma imagem ou fato daquele dia que tenha ficado marcado em sua memória?

Sim, lembro embora 22 anos se passaram !!!! Eu ainda lembro que após o anúncio de sua morte todos os escritórios foram fechados .... todos o trânsito parou ... nesse dia não tinha minha motocicleta (hoje não lembro a razão)..... aproximadamente as 17 horas da tarde eu e outras três pessoas começamos a ir para casa no carro do meu chefe.... mas não conseguimos ir totalmente com o carro ..... as pessoas fizeram procissões e não permitiu o carro prosseguir em alguns ruas menores .... andei pouca distância ... todas as lojas foram fechadas ... quando fui para a estação de trem perto de casa, vi muitas pessoas andando nos trilhos da ferrovia para ir para suas casas ...... muitos parentes e amigos meus tiveram também que caminhar para casa .... mas em Calcutá não teve rebelião contra os sikhs porque o governo local tomou muitas precauções mas a cidade inteira estava tensa ... começávamos a receber as notícia dos motins em diferentes cidades especialmente em Nova Delhi ... no dia seguinte ( Nov. 1), foi declarado feriado nacional de luto.

- O que mudou na vida dos cidadãos indianos após o assassinato?

Não muito; mas todo o pais ficou chocado por uns três dias !!! O filho dela, Sr. Rajiv Gandhi, tornou-se Primeiro Ministro no mesmo dia. Para os políticos e cidadãos ficou caótico por alguns dias e finalmente voltou a ficar tranqüilo novamente.
Delhi teve um motim e quase 3000 sikhs foram mortos e o motim continuou por 7/8 dias.

- Qual a sua atual atividade profissional?

Sou engenheiro civil. Estava trabalhando com engenharia já naquela época.

- Outras informações.

Indira Gandhi vinha recebendo ameaças de morte desde que ordenou o ataque ao “Golden Temple” onde mais de 1000 pessoas morreram (em Junho 1984, chamada Operation Bluestar.
O templo dourado é um lugar sagrado para os sikhs como o Vaticano para os cristãos e Meca para os muçulmanos). Eles (sikhs) estavam escondendo muitas armas e munição no templo sagrado. Indira Gandhi provavelmente estava antecipando sua morte e disse:

"If I die a violent death as some fear and a few are plotting, I know the violence will be in the thought and the action of the assassin, not in my dying...." e disse ainda: “If I die today, every drop of my blood will invigorate the nation”

A verdade é que a mataram a sangue frio e queima-roupa uma senhora idosa indefesa e que havia se curvado para cumprimentar seus seguranças sem saber que na verdade eram seus assassinos! Um ato covarde com toda certeza mas do qual a comunidade sikh se orgulha até hoje.

Om Shanti

.