5 de março de 2007

Verônica em Mumbai


Namastê

Ontem foi HOLI., o festival das cores aqui na Índia. Leia a postagem do dia 15 de março de 2006 sobre Holi neste blog.

Hoje temos a participação da Verônica que nos conta como foi sua experiência de 1 mês na cidade de Mumbai.

Oi Sandra,

A viagem para Índia foi uma aventura. Foi muito válida pelo curso que fui fazer, aprendi bastante e o pessoal foi muito legal mas quanto a cidade eu não diria o mesmo. Não sei como são as outras cidades da Índia mas Mumbai me deu a impressão de estar dentro de uma grande favela. As ruas, os edifícios todos muito sujos e mal conservados. A cidade cheia de corvos! Dá pra imaginar, CORVOS! A falta de higiene me incomodou muito! Outra coisa que também me deixava muito brava era o fato das pessoas (motoristas de taxi e de riquixá principalmente) ficarem o tempo todo mentindo quanto ao preço real das coisas. Por várias vezes fiquei a ponto de mandá-los para pqp! Pedir informação para um indiano era muito complicado, qualquer mínima pergunta virava uma bola de neve. Não sei se eles não respondiam porque não sabiam, porque não queriam, porque não me entendiam ou se era por maldade mesmo.

A comida é realmente muito apimentada mas não tive problemas, não exagerei, comia sempre um pouco de cada por dia e não comia na rua. Outro detalhe importante, papel higiênico, não é encontrado em praticamente nenhum banheiro só tinha no hotel e tinha também no McDonalds. Não percebi tanta religiosidade no povo e fico pensando como é que as pessoas vão para Índia em busca de paz espiritual.

Como diz o ditado "Vivendo e aprendendo". Pois bem, depois de ser enrolada algumas vezes logo fiquei esperta e comprei um mapa da cidade com uma tabela de preços de corridas de rickshaw junto e não descuidava do taxímetro porque se bobeasse eles não colocavam para funcionar!

É sempre útil andar com dinheiro bem trocado (10, 20, 50 Rúpias) pq você dá 100 Rúpias e eles invariavelmente dizem que não tem troco. Imagina se eles não tem troco para 100 Rúpias por uma corrida que custou 50-60 Rúpias? É claro que é mentira! Andei de ônibus por duas vezes, é bem baratinho mas normalmente estão sempre lotados. Também me aventurei no trem uma vez mas comparar com uma lata de sardinha é pouco de tão lotado!

Comprei o bilhete para "FIRST CLASS" achando que seria mais confortável mas a first class era porque no vagão só viajariam "LADIES" (mulheres). Menos mau! Mas lotado do mesmo jeito!

Tem ainda o problema dos mendigos. Eles são realmente irritantes, mas logo descobri que o segredo para não ser importunado é simplesmente ignora-los, passar reto e fazer como se eles não existissem pois a qualquer sinal de atenção sobre eles começa uma perseguição infernal ao longo de quase toda a rua! Portanto IGNORA-LOS é o point!

Comprei garrafas de água mineral de um litro a um preço que variou de 12 a 50 Rúpias. Assim não sei quanto custa uma garrafa de água mineral na Índia rsrsrs!

Sair para fazer compras era um exercício de paciência pois os vendedores simplesmente não te largam. Teve uma vez que um deles insistiu por tudo que eu comprasse uma roupa e baixou tanto o preço que quase me dava a roupa aí eu falei pra ele bem seria "olha, não é um problema de preço é um problema de necessidade e eu não estou precisando", não sei se ele entendeu mas me deixou em paz. Pedir informações na rua é arriscado que você vai parar no lado diametralmente oposto ao que você quer ir. Não pergunte a qualquer um, de preferência pergunte a alguém que esteja lendo um jornal (de preferencia em inglês) e mais de preferencia ainda a mulheres jovens e que estejam com algum livro na mão. Essas são "educated people" e saberão dar alguma informação. Isso eu aprendi depois de andar muito procurando determinados lugares. Ah! "educated people" significa que eles tem escolaridade, que sabem ler, só os "educated people" sabem falar inglês. O inglês deles é muito carregado mas com alguns dias a gente acostuma o ouvido. No começo a gente pensa que é outra língua!

Não sofri com o efeito ET, talvez porque Mumbai seja uma cidade muito grande, ninguém me importunou nesse sentido. Pelo curso que fui fazer a viagem valeu muito a pena aprendi bastante e confesso que talvez até volte, agora que já sei como sobreviver na Índia, mas não recomendo Mumbai como uma cidade bonita ou boa para fazer turismo pelo contrario a impressão que ficou foi de que a cidade parece uma grande favela, suja e mal conservada.

Esta foi a experiência de nossa querida Verônica na Índia que como tantas outras antecipou a passagem de volta ao Brasil. É sempre mais difícil para as mulheres adaptarem-se as condições tão primárias de vida que temos por aqui.

A impressão de que a cidade é toda uma grande favela, é a mesma que eu tive em Calcutá. Além de ser toda uma grande favela, Calcutá não é cidade mas sim uma vila.

Fiquei feliz por Verônica ter aproveitado bem seu curso, pois muitos que vem para cá fazer cursos entram numa grande fria e não aprendem nada, pois o que tem de charlatão por aqui é impressionante!!

Incredible India! (slogan do governo indiano)

Participe da comunidade do Orkut: Eu Leio Indiagestão

OM Shanti