22 de agosto de 2007

Ramakrishna - Parte 1


Namaskar

O final do século 19 e inicio do século 20 viu o nascer de vários Gurus.

Nas décadas de 60, 70 e 80 essa coisa de Guru virou a maior picaretagem da historia da Índia, e por causa desses gurus picaretas você pensa ate hoje que a Índia eh um pais espiritualizado. Agora, nesta ultima década, vemos novamente o despertar de Gurus sérios, como o Sri Sri Ravi Shankar, Ram Dev, Amma e outros.

Hoje eu quero falar para você, um pouquinho sobre um desses gurus de antigamente... RAMAKRISHNA.

Eu tive o privilegio de visitar por diversas vezes a Ramakrishna Mission em Calcutá, o Kali templo em Dakneswar e o complexo Belur Math. Finalmente li o famoso Gospel de Sri Sri Ramakrishna, em ingles, em 2000.

Vou contar para você, bem resumidamente, um pouco da biografia deste ilustre Guru.

Khudiram Chattopadhyay, pai de Ramakrishna, e sua mãe, Chandra Devi, eram da casta Brahmin, ou seja, a casta mais alta que existe. Eu quero que você compreenda que ser da casta mais alta, não significa necessariamente ser os mais ricos. Ha milhares de Brahmins pobres, e esta família fazia parte dos milhares de pobres. E como todo Brahmin, eles dedicavam grande devoção a sua religião e a seus rituais.

O casal já possuía 2 filhos e 1 filha quando Ramakrishna nasceu, assim ele foi a quarta criança. Depois dele, o casal ainda teve mais uma menina.

Chandra Devi deu a luz a Ramakrishna no chão do quarto onde ficava o pilão e onde o arroz era removido da casca. Dhani, a mulher do ferreiro, atuou como parteira, e assim nasceu no dia 17 de fevereiro de 1836, Gadadhar, o nome verdadeiro de Ramakrishna.

Logo após o nascimento, o bebe sumiu, e foi encontrado dentro do forno usado para beneficiamento. Dhani, a parteira, retirou-o do forno e limpou seu corpinho todo sujo de cinzas (o forno estava desligado).

Um sobrinho de Khudiram, pai de Ramakrishna, enviou-lhe uma vaca de presente, para que a criança sempre tivesse leite para se alimentar.

Aos 5 anos de idade, Khudiram colocou Gadadhar para ser alfabetizado com um professor local. Ele tinha 2 horas de aula pela manha, e depois de um grande intervalo, mais 3 horas de aula a tarde. (Aqui cabe uma explicação. Eh que faz um calor infernal em Calcutá e ninguém agüenta sair de casa, assim, após o almoço, todos dormem).

Gadadhar, era muito irrequieto, porem tinha excelente memória. Ele não gostava de ir as aulas e matava aula diversas vezes. Certa vez ele matou aula e foi ao grande tanque onde as mulheres se banhavam. Uma das mulheres o expulsou, pois havia 2 grandes tanques, um para os homens e outro para as mulheres. Ele voltou ao tanque 3 dias seguidos e ficou escondido observando as mulheres tomando banho. Chandra Devi lhe explicou que não deveria fazer isso, pois ofendia as mulheres do vilarejo e pelo que consta ele não fez mais.

Aos 6 anos de idade Gadadhar sofreu seu primeiro desmaio enquanto observava grous brancos voando em frente a uma nuvem escura, carregada de chuva.

Aos 7 anos de idade seu pai faleceu. Aos 8 anos, ele gostava de ficar com os sadhus e ate passava cinza no corpo como os sadhus. Alguns meses mais tarde ele sofreu novo desmaio, provavelmente devido ao forte calor enquanto fazia uma romaria para Anur.

Aos 9 anos ele passou pela cerimonia do cordão sagrado que todos os brahmins masculinos devem usar pelo resto da vida. Parte desta cerimonia consiste em receber esmola de uma outra mulher brahmin, porem Ramakrishna já havia prometido a Dhani, a mulher que atuou como parteira em seu nascimento, que ela seria esta pessoa a lhe dar esmola pela primeira vez, e assim ele poderia chama-la de “mãe”. Acontece que Dhani NAO era brahmin!

Como você já pode imaginar, a família de Ramakrishna ficou chocada e não aceitava essa idéia de modo algum. Onde já se viu um garoto brahmin receber esmola (uma parte importante da cerimonia, embora somente simbólica), de uma mulher não brahmin!!!!! Resumindo, apesar de ter somente 9 anos, Ramakrishna não se deixou levar por esta divisão de casta, ele teimou e teimou ate que finalmente todos tiveram de concordar.

O garoto adorava cantar musicas religiosas, representar em pecas religiosas de teatro amador e esculpir estatuas em argila de deuses e deusas indianos.

Certa vez era Shivaratri (noite de adoração a Shiva) e o ator que representaria Shiva adoeceu, então chamaram Ramakrishna para representar em seu lugar, porem ao vestir-se como Shiva ele perdeu consciência e teve que ser carregado para casa.

Após a morte de sua cunhada (esposa do irmão mais velho) Ramakrishna aos 12 anos de idade desistiu de estudar e passou a ajudar sua mãe com os afazeres domésticos.

Certa vez, Ramakrishan se disfarçou de mulher, vestindo um sari para entrar na casa de um vizinho.

Aos 17 anos, o irmão mais velho de Ramakrishna o levou para Calcutá e passou para ele a tarefa de realizar pujas e outras cerimonias para as pessoas interessadas. Como você sabe, somente os brahmins podem realizar cerimonias religiosas hindus.

Continua amanha....