7 de março de 2009

Martha de Kolkata


-->
Namaskar

Fique hoje com mais um depoimento da Martha que mora em Kolkata.

Estou de volta com meus depoimentos sobre a Índia, mais precisamente sobre o meu primeiro ano em Kolkata.
Apesar de ser uma cidade bem atrasada (onde o partido comunista manda e desmanda) e de muitos contrastes, como toda Índia, eu consegui tirar proveito das coisas boas que a cidade oferece.

No meu ultimo depoimento, eu estava morando num hotel, pago pela empresa que meu marido trabalha, mas atualmente vivo numa comunidade de classe media, uma área que nem parece que faz parte da Índia, as ruas são limpas, eh arborizada, com áreas de lazer, parques, tudo muito simples, mas eu me sinto bem. Tive e ainda tenho contratempos como estrangeira, apesar de me sentir e me vestir como uma indiana moderninha, mas não tenho problemas para me adaptar aos costumes locais, ateh mesmo quando eles querem me "enrolar" na hora de comprar no mercadinho, na rua, nos shoppings, nos taxis.

Nesse período que estou vivendo na Índia, tive a oportunidade de conviver com muitos indianos, de varias castas, classes sociais, de diferentes costumes, sem falar dos outros estrangeiros que conheci por aqui. E percebo que essa convivência eh muito agradável e de boa relação, não soh financeira como também emocional, cultural, uma interdependência entre os povos orientais e ocidentais.

Confesso que minha forma de ver a Índia eh diferente de muitos brasileiros que aqui conheci, pois sempre que penso, desejo conseguir algo, eu realizo, não exatamente como eu gostaria que fosse, mas nada tão ruim como muitos imaginam ou presenciam. A miséria, a sujeira, as buzinas jah não me incomodam mais.
Tive o privilegio de conhecer pessoalmente, uma grande mulher e uma "lenda viva" chamada SANDRA, que posso considera-la uma grande amiga. Alias, no dia do nosso encontro, fiquei muito emocionada (pena que foi por pouco tempo). E tb conheci o marido dela, que eh daqui de Kolkata. Um amor de pessoa, um verdadeiro "indiano brasileiro".

Desde que cheguei, eu consegui me adaptar facilmente a maneira que eles vivem, como por exemplo, fazer xixi nos banheiros de buraco e ainda usar a "canequinha" higiênica (mas tenho sempre a mão meus papeis e toalhinhas intimas), comer a comida deles com a mão direita mesmo sendo canhota, freqüentar cinemas e ouvir com emoção o hino de peh antes da sessão começar, usar roupas indianas, inclusive o sari (mas soh com calcinha) estudar em uma escola nativa. Enfim, jah posso me considerar uma verdadeira indiana.

Não sei ateh quando vou ficar por aqui, mas enquanto isso, vou fazendo do meu "limão indiano", uma deliosa "caipirinha brasileira".

Felicidades a todos e continuem curtindo o INDIAGESTAO.
MARTHA


.