13 de junho de 2009

Entrevista com o Principe Gay


Namaskar


Repassando...


Quem for à parada gay de São Paulo no próximo dia 14 e vir um homem de meia-idade e traços hindus, vestido de marajá, com turbante e tudo na cabeça, no alto do trio elétrico, não é show de transformismo. É o príncipe indiano Manvendra Singh Gohil, 44, herdeiro da dinastia de Rajpipla, o único, segundo diz, membro de uma família real moderna a se assumir homossexual.


Filho único, causou uma crise institucional na Índia porque não daria sucessão à linhagem monárquica. Em dois tempos, depois de se assumir gay, a fachada cor-de-rosa do palácio em que mora, que ele jura já ter esse tom há séculos, renderam-lhe o apelido de "pink prince".


Sem muita ideia do que vai encontrar em São Paulo e na parada gay, pergunta, antes de encerrar a conversa: "Com que roupa eu vou?" Leia abaixo trechos da entrevista concedida por telefone de Rajpipla.


- Ouviu falar da novela brasileira sobre a Índia?

MANVENDRA SINGH GOHIL - Para ser honesto não sou muito de assistir à televisão. Se for popular, vou ver em alguns capítulos quando estiver por aí.


- Como é ser gay na Índia?

MANVENDRA - A sociedade não nos aceita. É muito difícil porque ser gay não é crime, legalmente falando, mas o ato homossexual é uma ofensa.


- Isso é um contrassenso.

MANVENDRA - O ato sexual é crime, com prisão de dois a dez anos. O sexo oral e anal entre homens são vistos como atos contra a natureza.


- Quem vê o kama sutra acredita que a sociedade indiana é muito liberal sexualmente falando.

MANVENDRA - Historicamente nossa sociedade sempre foi muito liberal em relação à homossexualidade. Era aceito. O kama sutra tinha um capítulo exclusivo com posições gays. Até a colonização britânica, que fez essas leis homofóbicas.


- Por que saiu do armário?

MANVENDRA - Se uma pessoa como eu se assumisse, começariam a discutir a homossexualidade neste país. Sabia que a mídia ia sensacionalizar.


- Os súditos reagiram?

MANVENDRA - No começo a reação foi muito negativa. Minhas efígies foram queimadas em praça pública. A mídia teve um papel muito importante, inclusive Bollywood e as TVs.


P - E como o rei e a rainha reagiram à sua homossexualidade?

MANVENDRA - Primeiro eles me deserdaram, mas depois viram que estavam errados.


- Está saindo com alguém ou faz sexo na Índia, já que é crime?

MANVENDRA - Não tenho namorado. Fiz um compromisso de não sair com ninguém por aqui até que o meu país descriminalize a homossexualidade.


- Pretende se casar com um homem agora?

MANVENDRA - Quero muito me casar com um homem e completar o meu compromisso com a sociedade, nem que eu tenha 100 anos de idade.


- A Índia é dividida em castas. Pode se casar com um plebeu?

MANVENDRA - Não acredito nas castas. Para mim todos os homens são iguais. Não quero que as pessoas me discriminem.


- O sr. é filho único, como vai manter a linhagem da família?

MANVENDRA - Quero adotar uma criança. Não penso em inseminação artificial. Meu filho já vai ter o meu sangue.


- Seu palácio é cor-de-rosa?

MANVENDRA - Sempre foi rosa. Talvez meus antepassados tenham previsto que um dos seus descendentes nasceria adorando essa cor, então pintaram de rosa. Minha cidade é conhecida como a cidade cor-de-rosa, tudo aqui é rosa, até o palácio.


- Qual é a sua ideia de São Paulo e da parada gay?

MANVENDRA - Quero aprender mais sobre a cultura brasileira, como as pessoas se comportam. Aliás, você, que é daí, me diz uma coisa: está frio, faz calor, com que roupa eu vou?




Colaborou: Cris

Incredible India!


Om Shanti