21 de agosto de 2005

Jaipur



Namastê

Aqui vai a descrição da minha pequena viagem a Jaipur.

Jaipur faz parte do “Trângulo Dourado” aqui no norte da Índia. O “Triângulo Dourado” é formado pelas 3 cidades de Jaipur – New Delhi – Agra. É onde se encontra concentrada uma grande quantidade de prédios, ruínas e monumentos históricos e onde em geral as operadoras de turismo trazem os turistas estrangeiros.

Jaipur é a capital do estado indiano chamado Rajastão.

O Rajastão é o estado desértico da Índia. Estou falando de deserto de verdade, com dunas de areia, oásis e camelos. Jaipur NÃO está bem dentro da área desértica, sendo essa um pouco mais a oeste; mas mesmo assim tem camelos e o calor é intenso. Já sabendo disso de antemão, levei protetor solar fator 30. Passei no rosto, braços, pés etc, e repassei durante o dia para garantir. Na hora do banho a noite quando voltei para o hotel tomei um susto, vi que esqueci de passar a porcaria do protetor solar no pescoço e no colo, resultado: pescoço de peru. Vermelho!

Tem MUITA coisa para se ver em Jaipur e é lamentável que os ônibus de turistas os levem pra ver uma porção ínfima; e tudo tão corrido que o coitado do turista fica exausto, não entende nada e acaba gastando dinheiro atoa.

Olha, se você for visitar Jaipur, tenha certeza de ficar pelo menos 3 dias lá. Aí sim, você vai poder ver tudo com calma, entender, e acima de tudo aproveitar a viagem. Se for para ir no esquema ‘tirar o pai da forca’ não vale a pena não.

É fundamental ter tempo e dinheiro pra se fazer compras em Jaipur. Leve MUITO dinheiro pois vc vai ficar louca-varrida querendo comprar tudo!!!

Jaipur é especialista em jóias em ouro com pedras preciosas e semi-preciosas; prata e prata envelhecida; jootis (sapatos indianos tipo Mil e Uma Noites com o bico enroladinho pra cima); meenakari (artezanato de esmalte em metal), muito bonito; pulseiras e braceletes de lacre misturado com pó de mármore; tapetes feitos de pêlos de diversos animais; roupas indianas; e as famosas “louças azuis” chamadas de ‘blue pottery’ feitas com uma espécie de quartzo.

A quantidade de lojas é indescritível e vc tem que pechinchar MUITO pois eles sempre cobram bem acima do preço. A melhor técnica é dizer que é muito caro e sair andando lentamente, que eles vem correndo atrás de vc reduzindo o preço. Se o logista vê que vc vai comprar algo ele vai te oferecer “cold drinks” (refrigerante), chá, água, assim como um banquinho pra vc sentar. Não se faz compras em pé em Jaipur! Aceite o refrigerante mas não beba a água, a menos que a garrafa venha lacrada. Eles ficam chateados se vc recusa a hospitalidade deles. Eu bebi muita Sprite em cada loja que fui e já nem carregava mais água comigo. Também é educado sentar-se para fazer as compras, não fique em pé e sente-se no banquinho que eles oferecem. Nas lojas de pulseiras não tem banquinho, tira-se o sapato e senta-se no chão forrado de tecido.

A população de Jaipur já chegou a 4 milhões de pessoas. Os comerciantes falam inglês e alguns guias turísticos também. Também encontra-se comerciantes e guias falando em espanhol e italiano, mas é raro e custa caro. A língua local é o rajistanês e o hindi.

Jaipur data de 1728 e foi construida pelo marajá Jai Singh II. Jai + pur = Jaipur, ou seja, 'cidade do Jai'. Pur significa 'cidade'.

Aqui na Índia é super comum as cidades terem os nomes de seus construtores. Imaginemos que Lula construa uma cidade em Pernambuco para si, a cidade chamar-se-ia “Lulapur”, Lula + pur = Lulapur. “Pur” = cidade.

A parte antiga de Jaipur é conhecida como Cidade Rosa "Pink City" pois fora toda pintada de rosa em 1876 quando da visita do Príncipe de Gales Edward VII. A cor rosa é associada a hospitalidade e boas-vindas, e desde então a cidade preservou essa cor; embora dessa vez eles tenham pintado de um rosa muito escuro e feio, praticamente uma cor ócre.

Em Jaipur tem cerca de uns 15 lugares pra se visitar e tudo é MUITO GRANDE e leva um bom tempo pra se ver com calma.

Dica: Você só vai aproveitar e entender tudo se vc contratar o guia local. É importante ter um guia pra te explicar tudo, se não vc vai ver um monte de paredes velhas decoradas e não vai saber o que é, pra que servia e como funcionava. Procure sempre pegar um senhor idoso ou alguém acima dos 50 anos de idade. Eles são gentis, educados, conhecem muito mais os detalhes, falam e explicam tudo lentamente de modo que dá pra entender (pois indiano falando inglês tem um sotaque dificil de se entender), cobram mais barato, em fim são bem melhores do que os rapazes jovens.
Detalhe: Não existe guia turístico mulher.

Em cada lugar que vc for visitar vc encontra os guias na porta oferecendo seus serviços, portanto não precisa se preocupar. Guia particular pra ficar com vc o dia todo, te levar a 3 ou 4 lugares diferentes e que fale língua estrangeira (português, espanhol, italiano, japonês etc) custa cerca de 200 Reais por dia + comida e refrigerante + entradas dos pontos turisticos.

Indo de Nova Delhi à Jaipur vc deve pegar a rodovia federal NH8 e são cerca de 5 horas e meia de viagem com uma parada no meio do caminho para um lanche. Eu fui de carro mas tem ônibus, trem e avião se vc preferir. O legal é que no caminho vc já vai sentindo o “clima” do Rajastão com as carroças puxadas a camelo. Muito bacana mesmo! Tem carroceiro que vai de pé guiando o camelo. Aqui Camelódromo é o lugar onde se “estaciona” os camelos, e não um monte de barraqueiros vendendo “importados” do Paraguai.

Hotel e lugar pra ficar tem em abundância, desde albergue da juventude até hotel 5 estrelas, depende do seu bolso; o meu como é pequeno fiquei num hotelzinho sem estrela, porém com muitos mosquitos!

Restaurante eu indico o Handi (Tel. 2364839, 2372275, e-mail: handi@datainfosys.net), é cheio de turista estrangeiro e não é caro. Vc tem que pedir uma porção de mutton tikka que é churrasquinho no espetinho de madeira. A carne é mácia e muito saborosa e o melhor de tudo é que não é muito apimentado.

Atenção: Se vc for visitar o observatório astronômico de Jaipur, vc não precisa visitar o de Delhi. Ambos chamam-se Jantar Mantar e são idênticos. O marajá Singh gostava muito de astronomia e construiu 5 Jantar Mantar na Índia mas 1 foi destruído.

Visite: (Preços das entradas em Real + preço de câmera fotográfica + preço de câmera de video) Pra converter em rúpia multiplique os preços por “21”

Cidade Rosa = Pink City (grátis) Muitas ruas cobertas de lojas e todas pintadas de rosa escuro. O lugar ideal para se fazer compras. Pechinche, pechinche muito mesmo.

Hawa Mahal = Palácio dos Ventos (Entrada: 1,00 câmera: 3,00 vídeo: 5,00) Esse é o lugar + visitado pelos turistas e o + fotografado. Ele é considerado o cartão-postal de Jaipur. Veja foto nesta postagem.

Complexo Palácio da Cidade = City Palace Complex (http://www.royalfamilyjjaipur.com/) (Entrada: 10,00 câmera: 4,00 vídeo: 10,00) A família real descendentes do marajá Singh ainda mora aqui. É um palácio particular e por isso a entrada custa mais.

Observatório Astronômico = Janta Mantar (Entrada: 1,00 câmera: 4,00 vídeo: 7,00) Muito legal e interessante para quem gosta e entende de astronomia, para o leigo é um lugar de pouco interesse, se não tiver um guia te explicando como os instrumentos funcionam chega a ser um pé no saco.

Palácio Nahargarh = Nahargarh Fort (Entrada: 2,50 câmera: 2,50 video: 5,00) É o palácio de descanso onde a família real ia para relaxar e espairecer. Fica no topo do morro de onde se tem uma vista excelente de toda a cidade de Jaipur inclusive de seus outros palácios e pontos turísticos. Suba até a parte de cima do telhado e você vai gostar da vista.

Palácio Amer = Amer Fort (Entrada: 5,00 câmera + vídeo: 7,00) Para subir o morro onde fica o palácio vc tem 3 opções: a pé (grátis), de jeep (7,00 ida e volta), de elefante (23,00 ida e volta) Pra ir de elefante o negócio é procurar outros turistas pra dividir a despesa. Cada elefante leva até 4 turistas, se vc arrumar mais 3 pessoas pra ir com vc aí custa só 5,75.

Forte Jaigarh = Jaigarh Fort (Entrada: 2,50 câmera: 2,50 vídeo: 12,00) Esse forte não tem palácio pois era um forte unicamente militar embora exista acomodações para a família real. Ele ainda é particular e pertence aos descendentes do marajá Singh. A principal atração desse forte é o Jaya Vana ou seja, o maior canhão com rodas do mundo e está no Guines Book de recordes. O canhão foi disparado uma única vez, no dia de sua inauguração. Foi tão forte seu estrondo e tremor que destruiu várias casas e construções e matou diversos animais de susto de seu enorme barulho. Eles vendem umas réplicas do canhão que é uma graça, fiquei com muita vontade de comprar mas não tinha 200 Reais para desembolsar :-(

Nesse forte tem um camelo que dá pra vc pagar e dar uma voltinha, e o cara vai puxando o camelo pra vc.

Jal Mahal (grátis) Antigo palácio no meio do lago onde o marajá caçava patos e outras aves. Ele é inacessível atualmente mas se tem uma linda vista dele de quase todos os ângulos.

Estes foram os locais que eu visitei e que eu recomendo, mas não se esqueça que tem muito mais coisas pra se ver em Jaipur.

Pra ir de um lugar ao outro, se vc estiver cansada, aconselho vc pegar um dos milhares de riquixás que tem por toda a cidade. O trânsito é caótico, mas isso é típico da Índia, então não reclame, sente no riquixá e relaxe, aproveite e divirta-se.

Atualmente Jaipur está se tornando o ponto preferido dos turistas estrangeiros que vem em busca de meditação e yoga. Os pacotes turísticos de yoga e meditação vão de 7 a 10 dias. Os trabalhadores indianos de corporações e empresas também estão preferindo relaxar, meditar e praticar yoga em Jaipur do que em outros lugares, afinal Jaipur é bem mais civilizada e com mais atrativos do que uma caverna no pé do Himalaia no meio do mato e cheio de bichos.

Jaipur é sujinha como a maioria das cidades indianas, bosta de vaca aqui, bosta de elefante ali, bosta de camelo acolá, nada muito diferente do resto da Índia. Tem também porcos, cachorros, pombos, ratos, em fim fauna completa!

Meu espos estacionou o carro perto do Hawa Mahal e na hora de dar ré quem está bem atrás do carro comendo? Uma vacona marrom. Quem foi empurrar a bunda da vaca pra ela cair fora? Euzinha, lógico! O único detalhe é que a dita cuja da vaca estava com a bunda toda suja .... sim não teve outro jeito, meti a mão na bunda cagada da vaca e empurrei a danada pra frente. Coisas da Índia. Ainda prefiro uma vaca parada em fila dupla do que os carros parados em fila dupla. É mais fácil empurrar uma vaca do que um carro :)

Os homens do Rajastão usam turbantes e as mulheres usam saia, blusa e véu na cabeça muito coloridos e contrastantes. Tem que se usar algo na cabeça pra não se torrar os miolos! Haja sol, haja calor! É uma festividade de cores que para a maioria dos ocidentais é considerado cafona mas que alegram o ambiente de quem mora e sobrevive as duras penas nesse calor abrasador do deserto. Chega a ser mesmo uma cromoterapia, dá ânimo, força, vontade de seguir vivendo ....

Preste atenção nos bigodes grandes e cabeludos dos homens rajastaneses. Rajastão é conhecido por muitas coisas inclusive por seus bigodes!

Os guias, vendedores ambulantes de artesanato e cartão-postal, os mahoots (motorista de elefante) etc. Vão com certeza chegar pra ti e te oferecer seus serviços, mas se vc disser ‘não’ bem sério eles caem fora. Não são chatos e incistentes como em Agra. São pessoas bem mais simples e bem mais humildes do que em Agra e Delhi.

Infelizmente, como já é de costume dos indianos, eles escrevem os nomes nas paredes dos monumentos históricos e arrancam pedaços “de lembrança”. Gritam, mexem em tudo, fazem xixi e dependendo do lugar, fazem até cocô dentro dos monumentos. É lamentável.

Quando vc vier pra cá fique sabendo que vai precisar trazer muitos rolos de filme pra tirar fotos. E traga uma câmera especializada para fotografar coisas grandes, pois aqui tudo é grande, como os bigodes dos rajastaneses ;)

Tem uma muralha que ligava um forte ao outro mas está destruida. A muralha fica bem em cima da serra. Muito legal, achei incrível. Fico imaginando o trabalho que deu pra contruir e a quantidade de elefantes puxando e carregando os pesados blocos de pedras.

Os elefantes de hoje são mais felizes pois pelo menos em Jaipur só carregam seres humanos, que são bem mais leves! Amo os elfantes! São doces gigantes e foram eles que “construíram” a Índia. Deixo aqui minha profunda homenagem a esses lindos animais que sofreram no passado e continuam tendo uma vida dura por aqui :(

O encantador de serpente cismou que queria que eu sentasse ao lado dele enquanto uma cobra caminhava por lá, mas a profissao de encantador de serpente esta proibida na India pois as cobras sofrem MUITO nas maos destas pessoas. NAO de dinheiro a eles, ignore-os.

Adorei Jaipur!!

Com o Indiagestao voce viaja sem pagar nada e fica conhecendo TUDO que ha de melhor!


Incredible India! (slogan do governo indiano)




Om Shanti