19 de janeiro de 2010

Contribuicoes da India para a Cosmologia - Parte 2

Namaskar

Repassando...


O Bhagavatam à primeira vista
O Quinto Canto do Srimad-Bhagavatam fala de inumeráveis universos. Cada um está contido em uma concha esférica circundada por camadas de material elementar que marcam a fronteira entre o espaço mundano e o ilimitado mundo espiritual.
A região no interior da esfera (Figura 3) é chamada de Brahmanda, ou "Ovo Brahma ovo". Ela contém um disco da Terra ou um plano chamado Bhu-mandala que a divide em uma parte superior, a metade celestial e uma metade subterrânea, cheia de água. A Bhu-mandala está dividida em uma série de características geográficas, tradicionalmente chamada dvipas, ou "ilhas", varshas, ou "regiões", e os oceanos. No centro da Bhu-mandala (Figura 4) está a "ilha" circular de Jambudvipa, com nove subdivisões varsha. Estas incluem a Bharata-varsha, que pode ser entendida em um sentido como a Índia e, em outro, como a área total habitada por seres humanos. No centro da Jambudvipa ergue-se a Montanha Sumeru, em forma de cone, o que representa o mundo e é encimada pelo eixo da cidade de Brahma, o criador do universo.
Para qualquer pessoa educada modernamente, isso soa como ficção científica. Mas é? Vamos considerar as quatro formas de ver a descrições das Bhu-mandala contidas no Bhagavatam.








Começamos por discutir a interpretação da Bhu-mandala como uma planisfera, ou uma projeção polar do mapa do globo terrestre. Este é o primeiro modelo fornecido pela Bhagavatam. A projeção estereográfica é um antigo método de mapeamento de pontos sobre a superfície de uma esfera para produzir pontos equivalentes em um plano. Podemos usar este método para mapear um globo terrestre moderno em um plano bidimensional, e a projeção plana resultante é chamada planisfera (Figura 5). Podemos igualmente ver a Bhu-mandala como uma projeção estereográfica de um globo (Figura 6).








Na Índia, tais globos existem. No exemplo aqui mostrado (Figura 7), a área da terra entre o equador e a montanha é o Bharata arco-varsha, correspondendo à Índia maior. A Índia é bem representada, mas à exceção de algumas referências à vizinhança, este mundo não fornece um mapa realista da Terra. O seu objetivo era astronômico, e não geográfico.






Embora o Bhagavatam não descreva explicitamente a Terra como um globo, o faz indiretamente. Por exemplo, ao salientar que a noite aparece em posição diametralmente oposta a um ponto em que é dia. Do mesmo modo, o sol se põe em um ponto oposto ao que ele nasce. Assim, o Bhagavatam não apresenta a ingênua opinião de que a Terra é plana.
Podemos comparar a Bhu-mandala com um instrumento astronômico chamado astrolábio, popular na Idade Média. No astrolábio, um círculo fora do centro representa a órbita do sol, a eclíptica. A Terra é representada em projeção estereográfica sobre uma placa plana, chamado de mater (ou madre). O círculo elíptico e as estrelas importantes são representadas em outro disco, chamado de rete (ou aranha). Diferentes órbitas planetárias poderiam também ser representadas por diferentes discos, e estas seriam vistas projetadas sobre o disco da Terra quando olhássemos por baixo do instrumento.
Bhagavatam similarmente apresenta as órbitas do Sol, da Lua, dos planetas e das estrelas mais importantes sobre uma série de planos paralelos ao Bhu-mandala.

Ver o Bhu-mandala como uma projeção polar é um exemplo de como ele não representa uma Terra plana.


Se voce achou tudo isso muito complicado, ESQUECA!  Mas se voce achou esta visao indiana da cosmologia interessante e quer saber mais sobre isto, leia o artigo completo aqui: http://www.unitedindia.com/cosmology.htm


Incredible India! (slogan do governo indiano)


Om Shanti