27 de setembro de 2006

Mala


Nâmaskar

Atendendo ao pedido de uma pessoa muito querida e especial, hoje estou postando informações gerais sobre Mala.

Mala significa ‘guirlanda’ em sânscrito e deu origem ao rosário cristão, ao Îphreng ba budista e ao terço católico.

A mala é um objeto importantíssimo e antiquíssimo na história da ritualística religiosa indiana. Seu adepto mais notável é o Deus Shiva.

Utilizada inicialmente no hinduismo, uma das mais antigas religiões do mundo, com cerca de 5 mil anos, a mala foi prontamente absorvida pelo budismo e posteriormente pelo cristianismo.

A mala é formada por uma sucessão de contas (‘bolinhas’) traspassadas por um fio e amarradas de forma circular; como o próprio nome em sânscrito sugere, no formato de uma guirlanda hindu.

A mala é utilizada para calcular o número de mantras recitados. No caso do terço cristão, é utilizada para calcular o número de orações feitas.

As malas podem ser feitas de diversos materiais como por exemplo, sândalo (utilizado pelos devotos de Krishna), conchas (búzios), tulsi (sementes de manjericão), sementes de lótus e Rudraksha (utilizadas pelos devotos de Shiva, Durga e Ganesha).

Em geral os praticantes de ioga utilizam malas de Rudraksha, a menos que por motivos pessoais cultuem outro deus hindu ou possuam outra filosofia de vida. O 'pai' da ioga é Shiva, e Shiva está intimamente associado a Rudraksha. Ele utiliza diversas malas de Rudraksha em seu pescoço, e os praticantes de ioga e homens santos seguem seu exemplo.

Os sadhus devotos de Shiva também usam malas de Rudraksha penduradas no pescoço.

As malas de sementes são indicadas para práticas de deidades; essas malas são utilizadas também pelos lamas tibetanos e budistas em geral.

No hinduísmo as malas possuem 108 contas, mas podem ser também de 54 ou 27 contas, pois estes são o número de vezes que o praticante deve repetir um mantra.

Mantra são palavras sagradas entoadas em voz alta repetidas vezes.

As malas sempre possuem uma conta extra, chamada Meru, para que se tenha certeza quanto ao ciclo exato de repetições do mantra.

Quando se entoa um mantra (japa) com o auxílio de uma mala para contar corretamente o número de repetições, chamamos a esse conjunto de japa mala.

Que fique bem claro que mala é tão somente o rosário de contas em si, e que as palavras entoadas são as japas. Já vi muitos ocidentais referirem-se a mala como ‘japa mala’. Japa mala é o ato de entoar mantras ou palavras sagradas por X número de vezes, utilizando-se uma mala para não se perder na contagem.

Antes de manusear uma mala a pessoa deve primeiramente lavar as mãos com água e sabonete.
As malas devem ser manipuladas somente com a mão direita.

Usar uma mala de Rudraksha no pescoço limpa a aura da pessoa tornando-a mais receptiva à práticas espirituais como a oração e a meditação.

As malas de Rudraksha são as preferidas e as mais tradicionais aqui na Índia, devido a seu poder de cura entre outros.

OM Shanti


.