23 de março de 2006

Adaptação - Continuação


Continuação de ontem

Muitos lugares já possuem atualmente “western toilet” ou seja, privada onde se senta, mas a maioria ainda é “Indian toilet”, privada no chão onde temos que nos agachar.

É fundamental carregar SEMPRE papel higiênico pois dificilmente você cruza com um. Uma opção é dispensar o papel e aprender a limpar a bunda diretamente com a mão esquerda e uma caneca d’água, que se encontra facilmente em todos os toilets hehehehe, eu tô fora!

Os que optam por se adaptar à caneca d’água em vez do papel higiênico, devem carregar na bolsa um sabonete, pois após limpar a bunda com mão, dificilmente se encontra sabonete para lavar a mão.

A pessoa deve tomar cuidado constante quanto a qualidade da água que vai beber para evitar graves diarréias e outras doenças. A pessoa deve pedir sempre água mineral lacrada, que deve ser aberta na sua frente ou carregar água de casa consigo. O melhor filtro de água aqui chama-se Aquagard fabricado pela Eureka.

Apesar do calor intenso é desaconselhável que as mulheres usem blusas sem mangas, saias, shorts, bermudas, tops, decotes profundos, transparências e qualquer outra roupa que não cubra a maior parte do corpo. Os homens indianos tem um desrespeito ENORME por todas as estrangeiras e consideram somente a mulher indiana como virtuosa, as outras todas são putas na visão deles.

A mentalidade masculina indiana ainda está tão atrasada quanto o país (reflexo um do outro?), e não vale a pena se arriscar desnecessariamente, pois o número de estupros anda aumentando muito por aqui e deixou de ser uma especialidade da capital e já se alastra por outras cidades.


Visto a grande diversidade de doenças tropicais aqui existentes é importante que as pessoas se imunizem contra a maior quantidade de doenças possíveis antes de vir para cá, resumindo, todos devem tomar vacinas.

Saiba que tudo custa bem menos do que sempre te pedem, seja por um produto ou por uma corrida de taxi. Uma das partes importantes de se adaptar a Índia é aprender a negociar. TUDO aqui deve ser barganhado e pechinchado ao extremo. É super cansativo, mas se a pessoa não fizer isto vai perder muito dinheiro. Negociar o preço de uma corrida de taxi é o pior, pois eles dificilmente usam o táximetro e literalmente te enganam e roubam o mais que podem.

Livrar-se dos inúmeros pedintes é outra tarefa a ser enfrentada diariamente, não tem jeito, o país possui uma grande população de miseráveis. Além deles temos que nos adaptar também a lidar com os “touts”, trapaceiros profissionais. Geralmente homens (ainda não vi nenhuma mulher) que te levam à lojas, agências de turismo, hotéis etc. de onde eles recebem comissão e onde você acaba gastando muito mais.

As três coisas mais difíceis da minha adaptação foram o clima infernal do verão, foi ter que morar na casa da sogra com toda a família dele e a comida extremamente apimentada e oleosa.

E é escrevendo sobre a comida com que eu concluo esta rápida visão geral em termos de adaptação à Índia para quem planeja vir para cá para morar.

1. A comida feita sob precárias condições de higiene sempre me causou grandes diarréias, indi(a)gestão e infeções intestinais com febre e uma profunda e indescritível dor. Os antidiarreicos, antibióticos, anti-ácidos, e analgésicos se tornaram meus melhores amigos aqui.
2. Sou grata a multinacional que fabrica o Fernegan, com o qual não consigo mais viver. Fenergan sempre me salva das reações alérgicas que tenho à certos tipos de alimentos. Sendo uma pessoa alérgica, a cozinha indiana com certeza não é a mais indicada para meu caso. Carregada com pimenta vermelha, verde e preta só mesmo Fenergan para me salvar!
3. A comida aqui é muito cara pra quem ganha em Rúpias, mas se você vier pra cá ganhando em dólar, sem problemas Um vidro de 250 gr de azeitonas custa 90 Rúpias, um pacote de queijo ralado de 200 gr custa 200 Rúpias e assim por diante.
4. Muitos produtos e alimentos não é fácil de se encontrar ou simplesmente não tem. Os brasileiros que vem me visitar sempre tem a delicadeza de me perguntar se preciso de alguma coisa e infelizmente sou obrigada a dizer “sim”. Almas boas, gentis e generosas já mataram meus desejos de comer, pão de queijo, miojo de camarão, bacalhau, Bis, sonho de valsa, cachaça, salame, e tantas outras coisas até mesmo o emplastro Salompas pra minha bursite já me trouxeram!! :-) Por isto é que sempre digo: “Brasileiro é tudo de bom”!!! :-)

É uma tristeza ver o desespero das brasileiras que aqui moram perguntando umas as outras quem está vindo do Brasil para poder pedir Zerocal, guaraná, farinha de mandioca, palmito etc. A lista é infinita....

Adaptar-se a esta falta de produtos é o mais difícil. Você as vezes quer fazer uma receita mas não pode pois não tem os ingredientes necessários. É muito frustrante!!! Coisas que eram tão comum no Brasil, que se encontrava em qualquer lugar aqui são uma preciosidade!!!

Tudo isto e muito mais faz parte do processo de adaptação para quem vem morar na Índia ...


Incredible India!

Om Shanti