28 de maio de 2008

Incredible India!



Eu sempre termino minhas postagens com o slogan do governo indiano - Incredible India!
Gostaria que voce visse hoje a propaganda do governo que passa aqui na televisao indiana.

Aproveito para avisar que deixei diversas postagens para voce ler pois o blog entra em recesso a partir de hoje ate o dia 16 de junho por motivo de saude.

Amanha farei uma cirurgia dupla no esofago e diafragma e ficarei uns dias hospitalizada.

Por favor aproveite estes dias para assistir aos videos e reler suas postagens favoritas.

O Indiagestao tem mais de 800 postagens e muitas das postagens antigas de 2005 e 2006 sao bastante interessantes.

Caso prefira, leia meu novo blog RESPEITO A NATUREZA www.respeitoanatureza.blogspot.com

Ate o dia 16 de Junho!! :)

Sentirei saudades...

Paz e Luz no seu caminho

Om Shanti


Respostas

Namaskar

Hoje é dia de respostas.

O resultado da última enquete ficou assim...

Voce assisti aos videos que aparecem neste blog?

Sim, todos!! = 38%

Sim, alguns = 49%

Nao = 13%

***

Lana: Hindu nao para de trabalhar nao mesmo na hora da reza. So quem faz isso sao os islamicos.

Rumo a India: Vc encontra o mini autoriquixa em lojas de brinquedos infantis. Tem tambem os autoriquixas de cor preta (que poluem).

Claudia, Pedro e Cris: Fico feliz em saber que pelo menos voces tres estejam gostando a serie sobre Instrumentos Musicais Indianos. Obrigada pela força e palavras de elogio!

Pedro: Faço minhas as palavras do Pedro quanto ao video do Sadhu que vive tocando Kartal e cantando.

“Sandra, fiquei impressionado com esta belíssima figura tocando.

Foi a meu ver a melhor de todas as apresentações, pois ele não é musico, é um tipo de sadhú, que vive tocando e cantando.

È digno de se observar a questão da cadencia entre mão esquerda e direita, pois cada uma toca um ritmo, e improvisa.

Aliás esta é uma qualidade muito rara no mundo, o desenvolvimento das duas partes do cérebro, e na India é muito comun isto entre pessoas que tocam instrumentos musicais, pois a percurssão lá não é como no ocidente que apenas preenche o espaço vazio, lá eles tem ritmo próprio dentro de uma cadencia peculiar, por isto as vezes não entendemos a música oriental.

No caso da tabla, cada mão toca um ritmo que juntos completam a frase musical. Mina cabeça ocidental, condicionada nesta vida, apenas tenta imitar o que a alma já sabe.”

Lana: A Aamla, a menininha indo-brasileira eh evangelica, a Marcia, mae da garotinha pretence a igreja Batista.

Paulita Portuga: O mesmo fato ocorreu comigo. Queria muito passear de elefante mas assim que descobri que ele era guiado por meio de marteladas em sua cabeca, revoltei-me e NUNCA mais quis saber de andar de elefante. Alem do que as cordas estavam tao apertadas que a grossa pele dele estava cortada e sangrando na altura da barriga. Jamais esqueci, foi horrivel! Isso foi no ano de 2000. Em 2006 quando fui a Jaipur, preferi subir para o forte a pe ao inves de ir de elefante.

Giovana: Claro que adoraria me encontrar com voce, porem devido a uma cirugia no esofago e diafragma estarei hospitalizada e nao terei condicoes de falar. Fica para uma proxima vez.

Om Shanti


I Fórum Internacional de Sustentabilidade e Comunicação


I Fórum Internacional de Sustentabilidade e Comunicação acontece em junho

Organizado pela Atitude Brasil, o evento traz a Brasília os prêmios Nobel da Paz Muhammad Yunus (2006) e Rajendra Pachauri (2007), entre outras personalidades

São Paulo, 2008 – A Atitude Brasil, empresa de consultoria em cultura e negócios, realizará nos dias 11 e 12 de junho, em Brasília (DF), o I Fórum Internacional de Comunicação e Sustentabilidade. Com o objetivo de discutir, trocar experiências, buscar caminhos e democratizar as informações ligadas ao tema “sustentabilidade”, o encontro promete reunir os grandes nomes nacionais e internacionais ligados ao assunto como os dois últimos prêmios Nobel da Paz, Muhammad Yunus e Rajendra Pachauri.

Toda discussão a ser promovida na 1ª edição do Fórum está fundamentada nos preceitos da Carta da Terra: respeitar e cuidar da comunidade da vida; integridade ecológica; democracia; não violência e paz; justiça social e econômica.

A idéia deste documento foi discutida durante o período preparatório da Rio-92 e ganhou sua forma final em 2000, após um longo processo de consultoria mundial que envolveu especialistas em Direito Internacional, diversos grupos da sociedade civil, centros de pesquisas científicas e de grupos espirituais, escolas, governos e representantes de causas humanistas e minorias de todos os continentes.

De acordo com Marta Rocha, diretora da Atitude Brasil, o papel da comunicação e de todos os envolvidos em seus processos é fundamental para promover a mudança de conduta da sociedade e aproximar o discurso à prática. “Temos o potencial de multiplicar a consciência de responsabilidade e respeito para com a vida humana e a natureza, educando e influenciando por meio da disseminação desses valores”, enfatiza.

O evento deve reunir dirigentes, gestores, especialistas e profissionais que atuam em empresas privadas, organizações públicas e da sociedade civil, nacionais e internacionais.

A maior novidade do Fórum é a participação de três mil estudantes universitários brasileiros, que acompanharão as discussões, em tempo real, em outro espaço de eventos localizado no centro de Brasília.

Para este público, além da participação virtual, haverá uma programação especial com apresentações culturais e shows de grandes artistas. Para democratizar ainda mais as informações, empresas patrocinadoras, centros universitários e escolas públicas e privadas do País e exterior terão acesso ao evento, por meio de credenciamento prévio, via Internet.

Destaques Internacionais

O evento terá, entre os palestrantes, duas personalidades internacionais vencedoras do Prêmio Nobel da Paz:

Rajendra Pachauri, economista indiano, prêmio Nobel da Paz em 2007, presidente do IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change) desde 2002. Estará pela primeira vez no Brasil;

Muhammad Yunus, prêmio Nobel da Paz em 2006. Fundador do Grameen Bank, o banco dos pobres. Desempenha papel importante para erradicar a pobreza no mundo, elevando a renda na base da pirâmide social por meio do microcrédito.

Participantes confirmados

Paulo Vannuchi, ministro dos Direitos Humanos, mestre em Ciência Política pela Universidade de São Paulo, foi diretor do Instituto Cidadania e preso político durante a Ditadura Militar;

Luciano Coutinho, economista, atual presidente do BNDES. Sócio-diretor da LCA Consultores, também atuou como conselheiro do Sebrae, Banco do Nordeste e de Governos Estaduais;

Oscar Motomura, especialista em treinamento de executivos e fundador da Amana-Key (organização que se propõe estar na vanguarda do processo de criação de “produtos de conhecimento”);

Oded Grajew, empresário referência de liderança na questão de responsabilidade social;

Monja Coen, missionária oficial da Tradição Soto Shu – Zen Budismo no Japão;

Maria Fernanda Coelho, atual presidenta da Caixa Econômica Federal. Atua na empresa há 23 anos e exerceu, anteriormente, o cargo de Superintendente Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (SUDEN);

Terezinha Azeredo Rios, escritora, professora do mestrado da Universidade Nove de Julho, graduada em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais, mestre em Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e doutora em Educação pela Universidade de São Paulo,

João Joaquim de Melo Neto, líder comunitário, educador popular, desenvolveu um sistema econômico comunitário, o Banco Palmas, que conta com uma linha de microcrédito alternativo, além de uma escola para desenvolver e disseminar os princípios da economia solidária, a Palmatech, que promove localmente a geração de trabalho e renda.

Debatedores Confirmados

Marco Antonio Rodrigues Barbosa – Advogado. Há 30 anos atua na área de Direitos Humanos. Atual presidente da Comissão de Mortos e Desaparecidos. Presidiu o Conselho de Direito da Pessoa Humana do Estado de São Paulo e a Comissão Justiça e Paz.

Danilo Miranda – Sociólogo e Filósofo. Diretor Geral do SESC, desde a fundação em 1960. Contribuiu com diversas iniciativas de desenvolvimento do esporte, artes,

cultura e educação. Ganhou recentemente o prêmio Trip Tranformadores, na categoria Liberdade, Diversidade e Desprendimento, entre outros prêmios.

Paulo Nassar – Jornalista. Professor da ECA-USP. Atual presidente da ABERJE (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial). Membro da International Association of Business Communicators e da Public Relations Society of America, entre outros conselhos.

Guilherme Lacerda – Presidente da FUNCEF, Fundo de Previdência da Caixa

Econômica Federal, atualmente, o terceiro maior fundo de pensão do País.

Conselho Consultivo:

O I Fórum Internacional de Comunicação e Sustentabilidade conta com um time de feras em seu Conselho Consultivo:

Aser Cortines (Amana-Key), Beto Ricardo (ISA), Danilo Miranda (SESC), Florestan Fernandes (TV Pública); Hamilton Faria (Inst. Polis), Mariana Kotscho (Repórter), Mário Sérgio Cortella (PUC), Paulo Nassar (Aberje/ECA-USP), Ricardo Carvalho (Mercado Ético) e Ricardo Kotscho (Jornalista).

Patrocinadores

As empresas que patrocinam e apóiam o I Fórum Internacional de Comunicação e Sustentabilidade são:

Patrocinadores: Caixa Econômica Federal, BNDES e Coca-Cola Brasil.

Apoiadores: Tetra Pak, TV Globo, Fundação Roberto Marinho, TV Futura, TV Cultura, MTV, FUNCEF, Aberje – Associação Brasileira de Comunicação Empresarial e Banco Mundial-IFC.

Realização: Atitude Brasil.

Programação do Fórum

O evento será realizado em dois dias, divididos em quatro mesas, com duração de até quatro horas cada módulo. A abertura acontecerá às 9h do dia 11 de junho, com a leitura da Carta da Terra por Mirian Villela, coordenadora internacional da ONG Carta da Terra.

A primeira mesa trará o tema Respeitar e Cuidar da Comunidade da Vida, com as presenças confirmadas do Nobel Rajendra Pachauri, além de Oscar Motomura, fundador da Amana-Key e empresário Oded Grajew. No período da tarde, a discussão será sobre Integridade Ecológica, com os convidados, ainda não confirmados, Ministro Fernando Haddad e o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli.

No dia 12, os temas “Democracia, Não Violência e Paz” abrem o encontro, com o Ministro Paulo Vannuchi, a Monja Coen e a escritora Terezinha Azeredo Rios. À tarde, o assunto em pauta será a Justiça Social e Econômica, com as presenças do Prêmio Nobel, Muhammad Yunus, Luciano Coutinho, presidente do BNDES, Maria Fernanda Coelho, presidenta da Caixa Econômica Federal e Guilherme Lacerda, Presidente da FUNCEF.

Em todas as mesas haverá a presença de um mediador, sempre um profisisonal de comunicação e debatedores, profissionais ligados às questões de sustentabilidade e comunicação.

Serviço:

I Fórum Internacional de Comunicação e Sustentabilidade

Data: 11 e 12 de junho em 2008

Horário: das 9h às 18h30

Local: Hotel Brasília Alvorada Tropical (antigo Blue Tree) – Brasília (DF)

Informações: (11) 3815-6400

Site: www.atitudebrasil.com

E-mail: atitudebrasil@atitudebrasil.com

Sobre a Atitude Brasil

A Atitude Brasil é uma empresa de consultoria em cultura e negócios. Tornou-se especializada em articulação de parcerias e captação de recursos para projetos e programas socioculturais junto aos primeiro, segundo e terceiro setores e colabora com seus clientes para que possam se relacionar por meio de valorização da marca, aumento da confiança pública no produto, melhora da reputação da empresa, integração com a comunidade e identificação com o consumidor. Fundada pela publicitária Marta Rocha, a Atitude Brasil é responsável pela organização de grandes projetos, entre eles, o Festival Internacional de Fotografia de Paraty.


Informações à Imprensa:
Trama Comunicação
Tel.: (11) 5539-1509
Website: www.tramaweb.com.br


Atendimento

Diretora: Leila Gasparindo

Coordenadora: Helen Garcia – (11) 92406794 - helen@tramaweb.com.br

Equipe de atendimento:

Ana Paula Dini – (11) 7232-0720 - ana_dini@tramaweb.com.br


Repolho


Namaste

Aqui na India come-se muito repolho .... os gases ficam com um cheirinho...... eca!


Incredible India!

Om Shanti

Mulheres Islamicas


Namaste

O lugar mais "confortavel" eh sempre reservado as mulheres islamicas, veja a foto.

Nunca irei entender o pensamento masculino islamico e o por que deles maltratarem tanto suas mulheres.

Om Shanti

Filmes de 2007







Namaskar

Estes foram os filmes indianos de Bollywood que fizeram sucesso em 2007:

  • Chak De India
  • Gandhi My Father
  • Guru
  • Om Shanti Om
  • Taare Zameen Par
  • The Namesake

Não deixe de assistir!!

Incredible India!

Om Shanti

Carrocinha de Criancas


Namaste

Transporte Escolar
Quando a escola fica ate 3 quilômetros da casa da pessoa, as crianças são transportadas nestas carrocinhas infantis onde cabem cerca de 10 crianças cada.

Foto: Sandra 

 

Incredible India!

Om Shanti

Marcia na India






A INDIA DE AR CONDICIONADO

Viajamos para a Índia, para comemorar meu 50º aniversário, após anos de programações e leituras, ouvindo e vendo tudo sobre aquele país, inclusive o blog da Profª Sandra, o excelente Indi(a)gestão, descoberto pela Adriana quando já havíamos fechado o roteiro, o que sem dúvida nos deu uma medida real para o nosso sonho. Está certo, visitamos a Índia em confortáveis meios de transporte com ar condicionado, por isso não poderemos falar da sensação de viajar em ônibus apinhados, debaixo do sol gritante, da volta para casa em tuc-tuc ou a pé, mesmo, caminhando de chinelinhos em estradas empoeiradas, do cheiro da comida ardente vendida nas ruas e da água que pode fazer mal.

Tudo isso é a Índia, evidentemente. Mas também os templos cuidadosamente decorados por gerações de artistas; a carruagem de Shiva, esculpida num só bloco de pedra em Ellora (coisa de fazer inveja a Michelangelo!); as miniaturas do Rajastão, feitas com tintas minerais moídas, ouro e prata, preparadas pelos estudantes das escolas de arte e utilizadas pelos mestres, nas quais podem ser vistos os pêlos de animais, quando usamos lupas; as pinturas em perspectiva de Udaipur, criadas muito antes de a mesma ser “descoberta” pela Renascença italiana.

A Índia é, ainda, o colorido das indianas, os adornos, sejam de ouro ou de plástico, os cabelos lisos, cuidadosamente trançados ou amarrados num coque, seu cheiro inconfundível de beleza. Os saris feitos de seda ou de algodão, impecáveis ou surrados, as transformam nas mulheres mais elegantes do planeta, em minha opinião, algo que nenhum estilista francês conseguiu superar: seis metros de tecido, em geral feito tradicionalmente, sem nenhuma costura. Mas isso é um caso a parte...

Os homens indianos – alguns famintos pelo contato com o sexo oposto fora de seus casamentos arranjados muito cedo, outros sinceramente interessados na vida em nosso país – pararam na década de 50, pelo menos no modo de vestir e de se pentear. Os mais ousados estariam já nos anos 80, como os artistas que aparecem nas novelas e musicais da tevê. Os artistas de Bollywood... bem... esses fazem de tudo: cantam, dançam, interpretam, tocam mas, provavelmente, não pregam botões, como dizia uma propaganda antiga da máquina de costura que fazia tudo.

Algumas coisas, porém, nos lembravam que não estávamos num lugar qualquer, mas num país que desde a independência iniciada por Gandhi está em transição de uma sabedoria milenar e de um sistema rígido de castas para o corrompido mundo do consumo, do qual todos devem participar como consumidores ou consumidos. A república indiana que nasceu socialista, cansou de sustentar os antigos governantes dos diversos reinos que a formavam e eles tiveram, por assim dizer, que “pôr a mão na massa” para custear suas enormes despesas. Seus palácios, onde muitos ainda vivem, cederam grande parte dos antigos aposentos para visitação pública, ou viraram luxuosos hotéis e restaurantes, enquanto os incontáveis súditos ainda veneram os lugares por onde os descendentes deles passam e pedem sua “bênção” nas festas e apresentações públicas. E parece bem charmoso ter um governante que não mais governa (e, portanto, não pode ser culpado por nada), somente para fazer as vezes de um deus vivo. Um entre os mais de 30.000 que existem por todo o país, dos quais só conhecemos os mais famosos: Brahma, o criador, Vishnu, o mantenedor, e Shiva, o transformador, com as respectivas consortes Saraswati, Lashmi e Parvati (ou Durga, dependendo de seu bom ou mau humor – nossos guias riam bastante quando dizíamos que dentro de toda “Parvati” há uma “Durga”).

A veneração dos indianos pelos seus deuses de pedra, faces, na verdade, de um único Deus, como explicou-nos um de nossos guias, justifica todos os rituais que cercam a vida desse povo, do nascimento à morte. A adoração nos templos, os pujas (oferendas), as celebrações, o casamento e o cerimonial da morte, com a cremação dos corpos para que todos os elementos voltem à origem, inclusive a alma que não se deseja retorne para este mundo de desejos e sofrimentos.

Para entender a alma indiana, no entanto, é preciso tentar compreender também a peregrinação dos homens santos; os animais andando livres pelas ruas; a importância dos rios sagrados; as salinas que surgem tão longe do mar, nas terras áridas do semi-deserto que começa em Jodhpur; o olhar distante das mulheres paupérrimas - e provavelmente com dois ou três filhos - que carregam pedras nas cabeças, por 150 rúpias (cerca de 3 dólares) ao dia; as crianças que nos pedem cremes para o rosto ou batons, como foram acostumadas pelos turistas estrangeiros; a insistência irritante dos vendedores que não aceitam “não” como resposta, mas que não se irritam quando lhes damos as costas e vamos simplesmente embora, sem nada dizer.

De todas as coisas que vimos, duas nos impressionaram muito: os pequenos estudantes que pediam canetas aos turistas, perto da escola, em perfeito inglês, pulando de alegria, beijando o precioso troféu, quando o conseguiam e a tranqüilidade daquele povo nem sempre pacífico, politicamente falando, diante do trânsito caótico das cidades, onde semáforos foram feitos para serem admirados, mas nunca obedecidos, pois o que vale mesmo é o som das buzinas (seja nas ruas ou nas estradas) informando que o carro está sendo ultrapassado (pela direita, é claro, parte da grande herança da dominação inglesa que levou muitos de seus tesouros). Mesmo sem vacas parando no caminho, sem motos e bicicletas carregando no mínimo 3 pessoas; sem pedestres atravessando o tempo todo entre camelos e os “besourinhos” tuc-tuc que vão costurando as ruas, levando os motoristas a fazerem manobras perigosas e assustadoras para nós, muita gente no Brasil, por muito menos, já teria matado ou morrido de impaciência.

Mas o que se pode dizer desse povo que tem a comida apimentada e o sorriso doce, tornando irrecusável seu tchai (chá com especiarias), seus incensos, seus tecidos, seus óleos perfumados, seu artesanato, suas tatuagens de henna e qualquer coisa que nos ofereçam?

Diríamos que se preparam para enfrentar o “mundo lá fora”, como devíamos ter feito há muito tempo por aqui. Nas grandes e pequenas cidades, há escolas públicas por toda parte, com transporte para as crianças. As meninas já não ficam mais fora das classes, embora as do interior não passem dos primeiros estágios escolares, antes de se casarem. As universidades também brotam, especialmente as da área médica e de tecnologia, exportando pessoal para os ditos países de primeiro mundo. Um indiano contou-nos que são os estudantes pobres que freqüentam as grandes escolas de medicina por lá, pois o curso é muito difícil e os ricos não estão dispostos a se sacrificar, preferindo perpetuar-se nos prazeres, exceto a carne. Há também uma campanha em out-doors para que esses profissionais permaneçam no país depois de formados, a fim de atender à população carente da qual vieram.

Podemos não ter compreendido por completo seus contrastes ou suas ambigüidades; a pobreza imensa e a fartura cultural e religiosa; a cortesia sincera e a simplicidade em contraposição à crueldade das disputas pela sobrevivência no mundo do consumo; a fé inabalável nas coisas do “outro mundo”, mas também não é assim no Brasil? Ao pôr os pés em Mumbai e depois, ao sairmos de Delhi, em todos os momentos sentimo-nos em casa, talvez apenas sem a preocupação com horários, violência e correria. Por aqui, quem sabe, só nos falte um pouco mais de sorrisos, sinceridade, de curiosidade pelo outro, de vontade de desvendar, misturando o jeitinho indiano de ser ao inconfundível jeitinho brasileiro.

Não podemos deixar de relatar as coisas curiosas e/ou engraçadas que nos aconteceram, como o quase “assédio sexual” de alguns vendedores numa loja em Mumbai; o susto que levamos ao descobrir que no toalete feminino havia um “he” e um “she”, significando o modo ocidental (vaso sanitário) ou o indiano, utilizado pelas mulheres com sari (um buraco no chão, que você só acerta com os pés nos lugares exatos); a surpresa que demonstravam ao descobrirem (principalmente a Adriana) que não éramos indianas, por causa de nossa pele amorenada e a alegria com que nos recebiam, então, como brasileiras; a primeira refeição indiana a gente nunca esquece (principalmente eu que fui levada em desespero a um banheiro de estrada por causa dela); o tenebroso percurso de trem de Jodhpur a Jaipur, com direito a carregar nossas malas por incontáveis escadas, enquanto as pessoas escovavam os dentes e faziam “outras coisas” sobre os trilhos, além da uma hora e meia de atraso; o bolo de aniversário que ganhei quando reclamei; o desfile do Gangaur e o jantar glorioso no Rambagh Palace, da rede Taj, em Jaipur, com direito a lagosta, vinho branco e sobremesa de chef francês; nossa ida ao costureiro, em Jodhpur, para fazer trajes indianos que foram entregues no mesmo dia; a visita ao Taj Mahal, em Agra, ao museu de Gandhi (Mumbai) e ao memorial do Mahatma (Delhi); eu, no começo, ainda tentando ser gentil com os vendedores que me cercavam como corvos; a Adriana, normalmente comedida, expulsando os vendedores, como Jesus no templo, no final da viagem; as doces uvas sem semente compradas na rua comidas com gosto e que não fizeram mal; a saborosa manga Alfonso, presente do dono de uma tecelagem familiar em Aurangabad; a ligação para a Sandra em nosso último dia na Índia; Ah! Saudade do Brasil... Uma vontade de ficar...

Sandra, você tinha razão quando nos disse que estranharíamos bastante ao chegar em Paris. Realmente. Não fomos mais tratadas como seres dignos de admiração. A cidade-luz nos recebeu com frio e chuva e enquanto todos corriam para algum lugar, dentro do metrô ou nas ruas, percebemos que todo mundo se vestia de preto ou cinza ou bege e que tudo parecia muito triste. Sentimos falta da profusão de cores indianas, mas nem um pouco do assédio dos vendedores, que também existem em Paris, mas desistem a um não incisivo. Lá também há moradores de rua e pessoas que pedem dinheiro nos vagões do metrô, como aqui no Brasil. Os franceses melhoraram muito em termos de receptividade (a campanha trate bem o turista deve ter dado certo), mas jamais chegarão aos pés dos indianos, em termos de cortesia. Creio que pagamos todo o carma de não termos dados gorjeta a muitos carregadores indianos, pois em Paris ninguém nos ajudou a carregá-las.

Já nos disseram que a Índia ou se ama ou se odeia. Posso dizer por mim e pela Dri que não a odiamos e até trouxemos um pouquinho dela em seus temperos e vestimentas. Deixamos lá muitas risadas e pouca irritação, talvez porque a gente saiba como é viver no terceiro mundo, tomar ônibus cheio, fazer bicos para melhorar o orçamento. É claro que voltaremos, já está combinado. Mais alguns anos e fecharemos um novo roteiro, quem sabe para o sul. Precisamos também ver o Ganges, visitar Sai Baba, conhecer a cultura portuguesa de Goa. Fazer uma nova viagem, dessa vez sem ar condicionado.

Márcia e Adriana

P.S. – ainda não digitei nosso diário de viagem, mas também com quase 4.000 fotos tiradas entre 30/03 a 17/04/2008, ainda não tivemos tempo de compilar tudo.


27 de maio de 2008

Miniatura de Autoriquixa

Namaste


Clique no botao do lado esquerdo para assistir ao video.


video

Contraste


Namaste

É uma foto EXCELENTE que mostra os contrastes do modo de vida das mulheres aqui na Índia.

Em uma parada de ônibus, podemos ver duas jovens indianas, provavelmente estudantes, vestindo calca jeans e camiseta.

5 mulheres vestindo burqa (vestimenta islâmica feminina), sendo que a da extrema esquerda esta com o que cobre todo o rosto, duas com o véu que deixa só os olhos amostra e duas sem véu algum no rosto.

E para completar esta foto magnifica, ha a foto de uma moca no cartaz de propaganda da Airtel, vestindo uma leve e curta saia branca com uma blusa sem mangas vermelha.

Analise bem esta foto e tire suas próprias conclusões.....

Foto: Martha Paixão

Incredible India!

Om Shanti

Onibus Indiano


Namaskar

Aqui na India os onibus sao adornados com guirlandas de flores :)

Incredible India! (slogan do governo indiano)

Om Shanti

Hierarquia Indiana


Namaskar

Esta charge indiana eh antiga mas ao que parece alguem ja deu sua contribuicao escrevendo em portugues!

Incredible India! (slogan do governo indiano)

Om Shanti


Pakwaj




Namaskar

Esta é a decima-segunda postagem da serie que preparei para voce sobre Instrumentos Musicais Indianos.

Esta serie tem por objetivo somente mostrar-lhe as imagens e nomes de alguns instrumentos musicais indianos, muitos dos quais estao caindo em desuso.

Vejas as imagens deste tradicional instrumento musical indiano e caso haja interesse, por favor procure maiores informacoes na Internet.

Gostaria de apresentar hoje para voce um instrumento musical chamado PAKWAJ.

Incredible India! (slogan do governo indiano)

Om Shanti

26 de maio de 2008

Passeio de Elefante

Turista ocidental adora fazer coisas exoticas no pais dos outros e uma delas eh andar de elefante, mas nem sempre tudo eh tranquilo.

Veja so o que aconteceu com esta turista hehehehe :)

Clique abaixo no botao do lado esquerdo para assistir ao video.


video

Vai um cha?


Namaskar

Transferencia de bandeja de cha de um vagao para o outro em trem indiano.

Trabalho altamente seguro hehehehe

Incredible India! (slogan do governo indiano)

Om Shanti

Tempestade de Areia


Namaskar

Esta foto de tempestade de areia no deserto do Rajastao aqui na India eu conheco bem!

Ela eh extremamente forte e chega ate aqui em Delhi.

Entra areia na casa toda mesmo com as portas e janelas fechadas. Nao se consegue respirar direito. Um horror!

Incredible India! (slogan do governo indiano)

Om Shanti

24 de maio de 2008

VEENA

Este eh N. Karthik tocando o hino nacional indiano em uma Veena.

Veena





Namaskar

Esta é a decima-primeira postagem da serie que preparei para voce sobre Instrumentos Musicais Indianos.

Esta serie tem por objetivo somente mostrar-lhe as imagens e nomes de alguns instrumentos musicais indianos, muitos dos quais estao caindo em desuso.

Vejas as imagens deste tradicional instrumento musical indiano e caso haja interesse, por favor procure maiores informacoes na Internet.

Gostaria de apresentar hoje para voce um instrumento musical chamado VEENA.

Incredible India! (slogan do governo indiano)

Om Shanti

Sri Sri Ravi Shankar no Brasil


Namaskar

O guru indiano Sri Sri Ravi Shankar esta no Rio de Janeiro conduzindo palestras que se eu fosse voce NAO perderia de forma alguma!!!

Sri Sri Ravi Shankar basicamente ensina Kriya Ioga que faz parte do Raja Ioga, ou seja, a mais alta forma de ioga, que tem por finalidade levar a pessoa a Deus, a sabedoria e bem-aventuranca divina.

Leia mais sobre Sri Sri Ravi Shankar nos links indicados abaixo. Copie e cole no seu browser.

http://indiagestao.blogspot.com/2005/10/sri-sri-ravi-shankar.html

http://ego.globo.com/Gente/Noticias/0,,MUL489367-9798,00-CELEBRIDADES+E+ANONIMOS+SE+MISTURAM+NA+PLATEIA+DO+GURU+SRI+SRI+RAVI+SHANKAR.html

Om Shanti

23 de maio de 2008

Aamla, a mais nova Indo-Brasileira!!



Namaskar

Gostaria de apresentar hoje para voce uma menininha linda da nova geracao Indo-brasileira. Ela chama-se Aamla e eh filhinha da Marcia (brasileira) e do Kumar (indiano).

Do casamento entre brasileiras e indianos ja podemos ver os resultados.... criancas lindas e inteligentes!

Eu particularmente ja conheco 5 criancas indo-brasileiras.

Eh com alegria e carinho que dou as boas-vindas a esta nova geracao!!!

Incredible Casais Indo-brasileiros e seus filhos!

Om Shanti

Sarod

Abdul Sami Khan tocando Sarod aqui em Delhi.

Sarod





Namaskar

Esta é a decima postagem da serie que preparei para voce sobre Instrumentos Musicais Indianos.

Esta serie tem por objetivo somente mostrar-lhe as imagens e nomes de alguns instrumentos musicais indianos, muitos dos quais estao caindo em desuso.

Vejas as imagens deste tradicional instrumento musical indiano e caso haja interesse, por favor procure maiores informacoes na Internet.

Gostaria de apresentar hoje para voce um instrumento musical chamado SAROD.

Incredible India! (slogan do governo indiano)

Om Shanti

22 de maio de 2008

The Kartal

Kartal

Kartal




Namaskar

Esta é a nona postagem da serie que preparei para voce sobre Instrumentos Musicais Indianos.

Esta serie tem por objetivo somente mostrar-lhe as imagens e nomes de alguns instrumentos musicais indianos, muitos dos quais estao caindo em desuso.

Vejas as imagens deste tradicional instrumento musical indiano e caso haja interesse, por favor procure maiores informacoes na Internet.

Gostaria de apresentar hoje para voce um instrumento musical chamado KARTAL.

Este eh o Kartal tradicional. O Kartal de Manipur eh um instrumento muito diferente embora tenha o mesmo nome. Coisas da confusa cultura indiana.

Incredible India! (slogan do governo indiano)

Om Shanti

Menina de 6 anos eh jogada viva em Fogueira


Namaskar

Permita-me o desabafo mas eu nao aguento mais!!!!

Sao 9 anos que estou aqui na India. 9 anos lendo, vendo e ouvindo diariamente noticias deste tipo.

O governo indiano gabando-se do crescimento economico e eu lamentando no NAO crescimento moral, educacional, espiritual, etc do povo indiano.

Viver na India eh viver num pesadelo constante e fico me perguntando ate quando vou continuar aguentando viver em um pais tao diferente como este em meio a tantas atrocidades diarias????

Mas estranhamente me aparecem forcas vindas nao sei de onde e continuo por aqui....

Hoje nao tive coragem e nem vontade de copiar e colar a reportagem aqui. Me desculpe.

Por favor, se voce quiser ler a respeito, entre no link abaixo:
http://oglobo.globo.com/blogs/moreira/post.asp?cod_post=100195

Eu ja estive na cidade de Mathura onde o fato ocorreu. Fui visitar o local de nascimento de Krishna.

Colaborou: Eliana Tudda

Incredible India!

Om Shanti

21 de maio de 2008

Casamento de macacos atrai 3 mil na Índia


Namaste

Casamento de macacos atrai 3 mil na Índia

O casamento de dois macacos atraiu 3 mil pessoas na região de Ghanteswara,

próxima da capital do estado de Orissa, no leste da Índia. A multidão presente

na cerimônia, realizada na última quinta-feira, foi recebida com um banquete

de arroz, lentilhas, verduras, peixe e doces. Além disso, o casal recebeu vários

presentes dos convidados, inclusive um colar de ouro para a noiva, dado por

um comerciante da região. "Foi uma experiência única para mim", disse o

padre que

realizou a cerimônia, Daitari Dash. "Foi a primeira vez que conduzi um

casamento entre dois animais, mas segui todos os rituais como eu faço em

casamentos entre humanos", contou. Os "noivos" haviam sido criados por

duas famílias diferentes como animais de estimação. Eles eram mantidos presos

por correntes antes do casamento, mas foram soltos depois da cerimônia. Os

macacos são considerados sagrados na religião hindu e por isso, o casamento

entre os animais é visto como um evento espiritual que traz benefícios para

a comunidade. Apesar disso, os donos dos "noivos" afirmaram que os tratavam

apenas como animais domésticos e que a decisão de casar os macacos é fruto

apenas do afeto que sentiam pelos animais. Noivos A "noiva" Jhumuri estava

vestida com um longo sari vermelho de cinco metros e foi preparada com pasta

de sândalo, como se faz com as noivas humanas.

Já o "noivo", Manu, foi levado ao templo em uma procissão na companhia de

centenas de animados espectadores. A procissão contou com música, fogos

de artifício e danças.

Foto: Internet/Google

Incredible India!

Om Shanti

Agua em Agra


Namaskar

O Marco Zimmer, brasileiro que trabalha em Agra, a cidade da famosa tumba Taj Mahal presenciou uma situacao que seria inusitada no Rio Grande do Sul, seu estado natal, porem que eh algo bastante corriqueiro aqui na Incredible India.

Marco estava no autorickshaw (riquixa movido a lambreta) quando o "motorista" do autoriquixa parou uns minutos para reabastecer, ou seja, ele foi tomar agua pois no verao de 43 graus nao tem quem nao sinta sede.

Enquanto o Marco ficava sentado no riquixa esperando o homem beber agua ele ficou observando a cena inusitada e ficou sem saber o que era mais sujo: a senhora idosa que enchia os toneis de agua com uma mangueira velha; a mao do "motorista" do riquixa que nao se deu ao trabalho de lavar antes de ir jogando agua com uma caneca e ir tomando a agua da mao; os toneis onde esta a agua ou a propria agua!!!!!

Impressionado, Marco pegou sua camera e tirou uma foto. Veja ai acima a foto da situacao inusitada vivida por este gaucho na cidade do Taj Mahal.

Colaborou: Marco Zimmer

Foto: Marco Zimer

Incredible India! (slogan do governo indiano)

Om Shanti

20 de maio de 2008

Gopichand EKTARA

Ektara - Indian instrument

Ektara




Namaskar

Esta é a oitava postagem da serie que preparei para voce sobre Instrumentos Musicais Indianos.

Esta serie tem por objetivo somente mostrar-lhe as imagens e nomes de alguns instrumentos musicais indianos, muitos dos quais estao caindo em desuso.

Vejas as imagens deste tradicional instrumento musical indiano e caso haja interesse, por favor procure maiores informacoes na Internet.

Gostaria de apresentar hoje para voce um instrumento musical chamado EKTARA.

Ektara eh qualquer instrumento musical de corda que possua somente uma unica corda. Assim sendo, ha ektaras de diversos tipos.

Incredible India! (slogan do governo indiano)

Om Shanti

BRUNA ABDALAH

A reputacao das brasileiras NAO eh boa aqui na India, agora entao......
socorrooooooooo!!!

Gaúcha ensaia carreira em Bollywood


Namaskar

A modelo Bruna Abdalah, 21, começa a chamar atenção

na forte indústria cinematográfica indiana.

O idioma ainda é barreira.

Brasileira fez uma ponta em superprodução, apresentou

programa de TV e já virou alvo da imprensa de fofocas:

"Tiro o telefone do gancho, não dá"

LUCAS NEVES
DA REPORTAGEM LOCAL

Na cobertura de um arranha-céu futurista, uma bela

morena em frugais trajes vermelhos sacoleja enquanto

entoa "Rehem Kare", circundada por uma dezena de

dançarinas vestidas à la Liza Minnelli em "Cabaret".
Depois do refrão, entra um rapper indiano cabeludo

pedindo "have mercy, girl, have mercy" (tenha

misericórdia, garota...).
A cena é de um dos números musicais do filme

"Cash" e a “indiana” é a gaúcha

Bruna Abdalah, 21, modelo que tenta a sorte em
Bollywood, a forte indústria cinematográfica

daquele país. A ponta na fita policial ("Todo mundo

é bandido no filme, mas não posso falar direito;

nem eu assisti") é seu début na tela grande.

Antes de "Cash", ela estrelou um clipe da estrela

local Shekhar Suman.
No início deste ano, apresentou, num canal de

TV aberta, o concurso "India's Hottest", em que,

"de vestidinho curto, coladinho", buscava o
casal mais bonito do país -que levou US$ 10 mil

(cerca de R$ 16.500).
Foi esse programa que a tornou conhecida do grande

público indiano e por tabela, alvo preferencial da

imprensa de fofocas. Já andaram até
apontando-a como pivô da separação de um casal

de estrelas (Salman Khan e Katrina Kaif). "Fiquei

no jornal e na televisão por duas semanas. Que adianta? Se
você dá entrevista, eles não escrevem o que tu fala.

Se não dá, eles escrevem do mesmo jeito! Encontrei o

Salman Khan duas vezes. Ele me aconselhou e me deu

o nome de uma agência", diz ela.
Aqui no Brasil, onde passa férias, Abdalah também

parece algo incomodada com o interesse da mídia por

sua carreira. "Não sei o que aconteceu. Out of the blue

[de repente], todo mundo começou a ligar e
perguntar de "Cash". Tiro o meu telefone do

gancho. Não dá."

Agora, ela estuda o idioma hindi para poder assumir

papéis de peso.
"Já tive vários convites, mas não quero fazer

dublagem. Quero falar fluente, saber me expressar.

Tem um monte de gente que me chama de louca
[por recusar ofertas]."
Enquanto isso, ela decora fonemas para declamar

em anúncios. "Acabei de gravar um da pasta de

dente Colgate. Vou ser a garota Colgate 2008.
Sou muito orgulhosa de falar isso: simplesmente

todas as mulheres da Índia fizeram teste, e eu consegui.

Eu dou mesmo para comercial, não adianta."

Fonte: UOL noticias

Colaborou: Dr. Nicolas

Incredible India! (slogan do governo indiano)

Om Shanti